Sentimento de segurança ainda não é bom, diz secretário nacional

Para general Guilherme Theophilo, Brasil tem muito a melhorar para além do avanço de índices de violência

Murici Balbinot - AdjoriSC
Foto: Murici Balbinot

O secretário nacional de segurança pública, general Guilherme Theophilo, esteve em Florianópolis nesta sexta-feira (11) e disse que, apesar da redução de índices de violência no país, "o sentimento de segurança ainda não é bom". Para contornar o problema, citou diversas ações da pasta que estão em andamento. Entre elas, a tentativa de recuperar parte dos quase R$ 500 milhões de verba contingenciada. Theophilo foi o palestrante da vez do Momento Brasil, série de eventos da Associação Catarinense de Emissoras de Rádio e Televisão (Acaert) que discute o cenário político com autoridades nacionais. 

No evento, ele reiterou que o Ministério da Justiça e da Segurança Pública vai basear as ações nos próprios estudos sobre a criminalidade, em detrimento de informações de outros órgãos. Defendeu a integração das forças policiais, mais rigor em presídios, e valorização da parte emocional de agentes. "Hoje, perdemos mais soldados em suicídio do que em combate", disse. 

Também defendeu a transformação da Força Nacional em Guarda Nacional, tema que tramita no Senado como PEC. "Hoje, eu sangro os estados. Tiro os melhores homens", afirmou. A ideia é que seja um realizado um concurso específico para esses novos agentes, sem mexer no quadro dos estados, e que a estrutura fique à disposição da presidência.   

Segundo ele, o problema de falta de efetivo é grave. Em alguns estados, o poder público ficou tanto tempo sem realizar chamamento de novos policiais que os altos cargos da segurança são maioria. "Tem estado que só tem sargento para cima", exemplificou.  

Para o general, a segurança catarinense é um exemplo. "[Fiquei] impressionado com o grau de informatização, com o grau de tecnologia, apoio de comunicação. Santa Catarina está muito na frente com um projeto excelente que serve de modelo para todo o país", afirmou. 

Defendeu ainda o projeto Em Frente Brasil, que prevê a atuação da polícia em parceria com outras áreas do poder público. "[O programa vai] atuar nas causas e não só na consequência. A violência é consequência de uma ausência do Estado, de uma falta de políticas públicas. Tem política de segurança pública, e tem política pública de segurança. A política pública envolve todos os ministérios". 

Além disso, reclamou da cobertura da imprensa, "não a de Santa Catarina", no caso da menina Ágatha, de oito anos, assassinada no Rio de Janeiro, e também em outros casos. Segundo ele, os veículos se precipitaram. "Nem se sabe de onde veio o tiro", disse. Theophilo, homem forte do ministro Sergio Moro, disse também que quer criar um selo 'amigo da segurança pública' para empresas que dão desconto para policiais, bombeiros, e outros agentes. 



selo 16 anos.jpg


Edição Impressa



anuncie_aqui.jpg

TM JORNALISMO LTDA. | (47) 3644-9395

Rua Otto Dettmer, 40, Bela Vista, Cep 89295-000, Rio Negrinho/SC

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | Jornal do Povo